DEMISSÕES NA COPASA AFRONTAM A LUTA POR EMPREGO DECENTE

DEMISSÕES NA COPASA AFRONTAM A LUTA POR EMPREGO DECENTE

2 de maio de 2024 Off Por Ti_Sindagua

Neste 1º de Maio, o SINDÁGUA reafirma a importância da mobilização e da luta pela garantia dos direitos e conquistas dos trabalhadores, reforçadas ainda mais pela desastrosa gestão da Copasa, que afronta a categoria com demissões coletivas irregulares, em flagrante desrespeito ao Acordo Coletivo, à legislação trabalhista e à Constituição Federal, ampliando a precarização das condições de trabalho.
Uma das bandeiras do Dia do Trabalhador em 2024 é exatamente a reivindicação por emprego decente, que depende da reconstrução dos direitos trabalhistas, pauta que contraria frontalmente o desmonte e as demissões sumárias executadas na Copasa pela gestão de Guilherme Faria, o preposto de Romeu Zema na empresa, que age com total desprezo pelos trabalhadores e seus direitos históricos.
A situação dos trabalhadores na Copasa é reflexo da sanha privatista que ocorre em alguns estados do país, onde o direito ao emprego é bandeira prioritária para quem vive de seu próprio trabalho, como a categoria do saneamento, que se empenha para realizar um serviço essencial para a população, mas não é valorizada como deveria pelo governo Zema e seus cúmplices na direção da empresa.
Essa situação abominável exige total apoio ao movimento forte e de unidade da categoria para defendermos coletivamente os empregos. Sabemos que, para barrar as demissões e garantir condições ideais de trabalho, é necessário organização e luta dos trabalhadores e trabalhadoras.
As bandeiras de luta do 1º de Maio deste ano, além de emprego decente, são correção da tabela de Imposto de Renda, juros mais baixos, aposentadoria digna, salário igual para trabalho igual, valorização do serviço público e defesa das estatais contra a privatização.

ATO UNIFICADO EM BELO HORIZONTE
Neste 1º de Maio, com o tema “Por um Brasil Mais Justo”, serão realizadas manifestações em todo o país. Em Belo Horizonte, o ato unificado das centrais sindicais, movimentos sociais e lideranças políticas vai acontecer na Praça Afonso Arinos, no Centro, com concentração a partir das 9 horas.
Além das demandas nacionais, a mobilização inclui a pauta da Frente Mineira de Defesa do Serviço Público contra o projeto privatista de Romeu Zema, que quer destruir o funcionalismo, precarizar a prestação serviços à população e entregar o patrimônio do povo mineiro ao empresariado.